quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

No ocaso da vida... namorando 
 Amei, amei, amei... 
Perdidamente
Sem saber se era amor 
Se era paixão... 
Apenas sei 
Que aos sentimentos entreguei 
A minh'alma toda inteira 
Como se numa hora derradeira 
Não os pudesse reviver Intensamente... 
Ou como se amou e sentiu 
O amor primeiro 
E como se pensou Jamais pudesse existir 
Outro igual ou mais verdadeiro... 
Mas existiram e... existem! 
Outros amores, novas paixões 
Outras boas loucuras 
Em ardentes corações 
Frémitos de vida... de emoções 
De ternuras e sensações... 
Cada qual como se não houvera 
Ou tenha havido outro igual... 
Amores!... paixões!... 
Pobres daqueles que não as viveram 
Daquelas que nunca as sentiram... 
Com a mais profunda intensidade! 
Porque perderam o melhor de suas vidas 
Que será a mais pura felicidade 
Quando chegar a hora da partida 
O último adeus... A despedida 
(Isidro Beleza)

Um comentário: