domingo, 4 de dezembro de 2011

ALGO A DIZER Neyde Noronha - 
PIETRO BIAGGI Paraíba do Sul, Rio de Janeiro, Brasil, 17. 03. 2008
Lá fora a noite é fria e cálida.
Venta no terraço gelado um ar corrente que espanta.
As plantas acenam uma para as outras com dentes serrados.
Só isto se consegue ver com o vento frio.
Volto para a cama de cobertas quentes.
Espero o som de um telefonema que nunca toca.
Lamento a ausência de alguém que queria estivesse presente.
Sinto que nada tenho a fazer senão serrar os dentes.
Lavo-me calma, perfumo o meu corpo solitário e alma carente.
Olho-me no espelho e converso sozinha e melancólica.
Penso em um monte de bobagens e tolices.
Fumo o meu último cigarro da noite, sinto algumas cólicas.
Tomo um cálice de vinho com lágrimas nos olhos.
Escovo os dentes olhando pra meus olhos tristes no espelho.
Vislumbro que tenho um bichinho de estimação muito amigo, que está em meu encalço, pertinho de mim.
Ao lado da minha cama está sua cama, no chão gélido da noite.
Enquanto agasalho-me para não congelar, meu cão me olha pedinte.
No silêncio, na imensidão e no brilho do seu olhar, vejo o reflexo do meu quarto que não é azul da cor do céu.
A cor branca da paz, não consegue abrandar o meu maior desejo.
Falta alguém tão mágico que faça desaparecer minhas angústias.
Alguém que me traga o carinho de beijos quentes que tanto quero.
Beijos quentes que aplaquem meus desejos, e o frio.
Quero lábios queimando a minha boca fria e sedenta.
Desejo o som acalentador do amor, das eternas canções de amor.
De corpos cansados estendidos na solitária cama no amanhecer.
Mas, como a realidade chegou com o sono, eu apenas sonho.

 Neyde Noronha - PIETRO BIAGGI Paraíba do Sul, Rio de Janeiro, Brasil, 17. 03. 2008

Um comentário:

  1. Um grande abraço e uma ótima semana!!
    jorge-menteaberta.blogspot.com

    ResponderExcluir