quarta-feira, 20 de maio de 2009

Na perfeição da vida


Enquanto olhava pela primeira vez aquela foto sentia que algo existiria. Passou a sonhar constantemente acordada e também a pensar naquela figura elegante, bonita e segura. Sentia arrepios ao receber qualquer recado a cada dia sempre exaltando o ser mulher como se fosse a única no mundo. O costume de ser tão solitária e triste, receber tantos elogios deixavam-na cheiade dúvidas e ao mesmo tempo em grande espectativa.
Ativou o seu instinto criativo e foi adiante no novo sonho, se empenhou nele como um navegante sem porto seguro.
Alguém assim tão sedutor foi na vida da sonhadora o estopim. Algo teria que acontecer algum dia. E aconteceu, presa as amarras daquela figura digna de elogios, que parecia nobre, nada via diante dos seus inquietos olhos.

Surpresa, aceitava tudo que vinha como se fossem flores e uma nova vida despontava. Naquele momento tentava recuperar o que havia perdido com esta nova realidade. Durou algum tempo mas haviam restos e dúvidas que não aceitava, lia, via, gostava ou não, animava-se, compartilhava ou se encantava cada vez mais.
Só que certa uma certa vez algo se desmanchou como se determinasse o fim de um sonho- Após o primeiro encontro, a primeira vez juntos.
Comentou-se sobre sua vida madura a qualidade de serem adultos e não adolescentes- Um espelho diante em que se via mais velho talvez menos sedutor e vice versa- Duas pessoas madura, diálogos maduros e mais nada. Em desacordo veio a decepção. Tão distante daquilo que sonhou para ele, talvez. Porém era ainda era desejado.
E ela não se detinha a continuar com isinuações, tentativas e o seu modo de seduzir, pois assim se sentia diante dele.
Cega, achando que a esperança seria o seu próprio crédito, via várias vezes esta figura diante dos seus olhos, no seu canto, quase que diariamente. Real ou virtual. Todavia sentia uma dor no coração quando ele ia embora de sua casa, sentia um vazio extraordinário, e pensava que talvez não viesse mais ou quem saberia, como pouco ouvia, pouco se falavam chegavam dúvidas a cada encontro.
Que sensação enganosa, nada mais do que uma aventura e um sonho de menina adulta, um sonho de alguém que espera muito da vida, mas que nem sempre ela pode oferecer.
Várias vezes houve rompimento, depois quase meio ano de insistentes mostras de dedicação, tudo que parecia sólido, passou a ser quase um cotidiano.
Após- Não o que poderia ter acontecido cansaço ou o desprezo, ou quem sabe o desencanto. Partiu para a rejeição, uma forma de rejeitar alguém dizendo que estaria sempre na luta pelo dever do trabalho, não podia nem sequer conversar. Até duplicidade de msn estaria acontecendo- Mentira.
Sentindo-se rejeitada e só, partiu para uma explicação que não veio, não vieram as claras, e sim como uma desculpa sempre igual as outras. Insistente, preocupada com o derrubar de um muro, ocasionou destroços, crê que apenas no seu próprio coração, pedindo desculpas depois e conseguiu ser perdoada.


De temperamento difícil, ao mesmo tempo impulsiva viu algo que não lhe agradou em um programa comum a muitos, onde se define o comprometimento afetivo de alguém.
Via então o seu grande projeto de vida se desmoronar mais uma vez, depois de mais uma desculpa, dia anterior, mostrado a todos uma situação pessoal tão injusta de se ver, embora soubesse, pensou que fosse outra aventura no seu mesmo caminho. Daí, se desenrola um sentimento enorme de rejeição, de desamor, escreve dizendo coisas que certamente o feriu intensamente.

Uma ferida não cicatrizada, uma diferença de interesse, um pouco do se sentir lesado por tamanha ofensa, foi se a cabo o que injustamente não deveria ter escrito desta vez a sua impulsividade não foi evitada.

E hoje sem o perdão, sem uma só palavra, sem luz, sem ar, sem tudo, acabou-se o episódio e o sonho. Para que sonhar com algo que não se pode ter? Ele sempre disse, a palavra compromisso, inacreditável, para quem está nos programas sempre procurando se divertir com mulheres.

Foi assim que tudo aconteceu em fim, tudo se leva para outro campo, o campo do tempo passado, da história vivida, do término. Do sentir-se valorizado, sem ser, do pensar e acreditar na perfeição da vida.

Neyde de Aa. Noronha

Nenhum comentário:

Postar um comentário