domingo, 29 de abril de 2007

Auto estima ferida

Objetivos acabaram
Nem sei para onde ir
Nas montanhas nunca mais fui
Lá, se quiser não me encontrará
Nunca errei com você
A não ser esperar
Solucei sem razão
Procurei seu perdão
Alcancei, porém, esquecida

Com o seu ego sofrido
Rejeitado por si
Quando conquista
Grita pelas ruas
Procura e larga
Para você
Viajar, seguindo estrada
E, no seu quarto azul
A solidão já acampou
Não notou?

Acostumado com o perdão
Sempre recomeça
Outra sedução
Em outro coração!

Encerro meu relato
Do que será o amanhã
Do homem que amo
Que continua sua rota
Ao caminho da conquista
Até chegar ao limite
Como aquele passageiro da vida
Que sozinho numa estrada deserta
Pergunta para sí próprio:"
O que fiz para ficar tão sozinho?

18/8/2005********

Nenhum comentário:

Postar um comentário