segunda-feira, 28 de junho de 2010

Em mim
Neyde Noronha

Sempre esperei por ti
O mais que necessário
Por muitas estações
Nas nascentes dos rios
Nos lagos centenários
Sonhei que te recebi em meu leito
Como a lua em meu peito


A espera continua
Até desabrochar a certeza
Que as vezes penso como seria
Através de um sorriso
Ou apenas um olhar...
Como estariam hoje os teus olhos
Tua voz calaria a minha, sufocante
Em todos os instantes


Se for na primavera
Me trarias flores
No verão um sorvete de morango
No outono um bom-bom
No inverno um grande abraço
Agasalho terno e amoroso


Quem sabe falaríamos de Anjos
De qualquer coisa banal, talvez
Quem sabe do Luar
De Deus
Dos filhos que criei
Dos teus
Ou deles nada falarias


Apenas olharíamos um para o outro
Confidenciariamos apenas com o nosso olhar
A longa ausência do encontro
Da demora em vir me buscar

Até então continuarei sonhando
Com este dia
Quando o meu desejo virá caminhando
Dentre as nuvens,
pelos caminhos da terra,
navegante,
nos meus sonhos,
ou em mim, apenas, em mim...


















Nenhum comentário:

Postar um comentário